drakemberg

A visão longinqua daquela muralha, que corre de norte para sul ao longo da Africa austral,e à  qual nunca cheguei.ficou-me a recordação.assemelha-se,À  escarpa da chela,Angola,que tem a seus pés o deserto da namibia, que contempla, há¡ milhões de anos numa estenção de cerca de 150 kilometros.

domingo, janeiro 29, 2006

O Norte era o meu destino

Seriam talvez dez horas da noite.Eu muito juntinho à cornija abrigava-me da chuva que,caía intensamente e que já durava, há duas ou três longas horas.Já alguma vez ouviste falar, na "impossibilidade da interpenetração dos corpos sòlidos"? Não! Então fica com esta.Neste momento,eu mesmo tinha a impressão que,era o que estava a acontecer comigo, e o pilar que sustinha a cornija; para que sob aquele dilúvio eu pura e simplesmente me mantivesse completamente enxuto.O que eu mais temia,era que o gerador fosse desligado,e a povoação ficasse mergulhada na escuridão total.Mas Deus como lhe tinha pedido; não me abandonara! E por entre o fragor da tormenta,divizei ao longe focos de luz que, devassavam os céus,preludio certo de que se aproximava uma viatura.Fiquei com os sentidos em estado de alerta.Ainda durou algum tempo até conseguir distinguir por entre o estrèpido da tempestade,os tènues sons do motor de um camião.Fiquei excitadíssimo,pois era agora ou não sei quando!Não podia falhar.O foco estava preste a fazer a sua apairção. Corri para o meio de estrada que,entretanto se tinha transformado em autêntico lamaçal. A viatura apareceu! Eu totalmente encharcado,esbracejava frenèticamente no intuito de fazer parar o camião. Não seria necessàrio,pois acabara de parar mesmo em frente do estabelecimento. Interpelei-o de imediato.Amigo dá-me boleia para Luanda? Não vou para Luanda respondeu.E sem parar entrou no estabelecimento. Fiquei desolado com a resposta,e volvi para a cornija que me protegia desde que começara a chover. A chuva tombava convulsiva! E eu para ali, sòmente comigo e com Ele. Estava certo que Ele velaria por mim como sempre o fizera. Ainda a ideia não estava assente, quando o sujeito sai do estabelecimento,rumo ao camião,hesitou um lapso de tempo,como que num rebate invisível. Aproximou-se um pouco,e em voz rouca disse: amigo sempre quer aproveitar a boleia; não Hesitei! E encharcado até aos ossos lá fui. Aliviei-me do casaco que trazia, andàmos e fartàmo-nos de andar,puchou por mim ao ponto de contar-lhe a minha vida desde que tinha chegado a esta terra. Pareceu-me sensibilizado, e fiquei com a impressão que arranjei um amigo. O tom era agora amistoso,e congratulei-me com isso. Horas depois subíamos o morro do Bimbe à cadência de um camião carregado de sebolas engatado em segunda subindo por ali acima Brrum,Brrum, chuvia ainda intensamente,e o cheiro a terra molhada sobrepunha-se a tudo. O dia já não devia de estar muito lonje quando ele saíu da estrada principal e enveredou por uma picada que, seguia mato dentro. Meia hora depois chegou a uma clareira,onde assentava uma casa tèrrea típicamente portuguesa. Não se via mais nada ; mas o sujeito tranquilizou-me dizendo que mais logo me levaria para Santa Comba Dão,era este o nome que tinham dado à Cela.Uma senhora apareceu! Fui convidado a comer com eles,e de seguida deram-me um cobertor e deixaram-me dormir no camião. A comida foi como a ultima ceia de um codenado, o sono dormi-o, como o sono dos inocentes.Bem hajam amigos.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial