drakemberg

A visão longinqua daquela muralha, que corre de norte para sul ao longo da Africa austral,e à  qual nunca cheguei.ficou-me a recordação.assemelha-se,À  escarpa da chela,Angola,que tem a seus pés o deserto da namibia, que contempla, há¡ milhões de anos numa estenção de cerca de 150 kilometros.

quarta-feira, dezembro 01, 2004

Percevejos e outros bichinhos

Andava em construção uma caserna nova.Em princípio dizia-se ser para os tropas que estavam para chegar do continente.Aquela caserna acabou por ficar para as tropas Cês,aquela onde estàvamos ficou para as tropas Is,e na que restou,foram alojados de facto,as primeiras tropas Caçadores especiais,vindos do continente.Não eram muitos,pois foram distribuidos,pelas unidades espalhadas, pelo norte de Angola.Não eram assim muito faladores ,e de princípio viviam meio desconfiados conosco.Foi bom eles terem vindo!Pois de uma coisa eles nos livraram.A caserna antiga ficava a escassos dez a quinze metros do rio.Por isso de noite èramos inundados com toda a casta de insectos voadores, e sugadores.Eles eram anofeles,os vectores da cólera,febre amarela,varíola,tifo,filariose,e uns lagartos muito pequeninos,que se alojavam sob a mucosa ocular,e que arrastavam um prurido insuportável;alem do descoforto à luz solar.Penso ser uma variante da filária.Mas tudo isto,parecia suportàvel,até ter-mos de suportar os terríveis percevejos.Eram às centenas.E atacam de forma estranha.Ao mesmo tempo que anestesiam,picam e sugam.Sugam e desaparecem;deixando-nos com uma comichão Horrivel.Tivèmos de elaborar uma estrategia que se resumia ao seguinte:arrastàmos uma cama para junto do interruptor da luz.Quando nos apercebiamos da sua presensa;gritàvamos! Acende a luz.E acto contínuo, como que impulcionados por molas,levantàvamo-nos,puchàvamos o cobertor para tràs, e!Supremo goso,esmagamos tantos percevejos quantos os possíveis,e isto era feito com´as mãos.O cheiro que ficava era fètido mas valia a pena.Passado um ou duas horas,tudo se repetia.Era assim durante toda a noite.Nunca conseguimos resolver este problema na totalidade.Nem mesmo quando começàmos a usar latas de conserva cheias de petróleo,òleo queimado etc.Eram colocadas de maneira que os pés da cama ficavam mergulhados no dito líquido.E eram tantas quantos os pés das camas.Dava a impressão que iam pelos barrotes do barracão e que se deixavam cair qual paraquedista em queda livre.Nunca soube como chegàvam até nós.Agora com a mudança para a caserna nova,nunca mais vi semelhante bichinho.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial